Mondim e Alvão

O Alvão é uma serra repleta de cascatas, lagoas e paisagens de cortar a respiração. Esta cordilheira ajuda a dar nome a uma das províncias históricas mais apaixonantes do norte de Portugal (Trás-os-monte).

Não resistimos também em aconselhar um salto a linda vila de Mondim de Basto .

A nossa jornada inicia-se na Cascata de Galegos da Serra, a cerca de 15 min da cidade de Vila Real e em pleno Parque Natural do Alvão. A sua queda de água de 8 metros que se precipita sobre um poço (onde nos podemos refrescar) não será porventura a mais impressionante da serra, mas vale a visita pela sua beleza.

Seguindo pela Estrada M313 vamos encontrar dois pontos de água: a Barragem Fundeira situa-se mesmo ao lado da Barragem Cimeira do Alvão e da estrada apresenta-se, de determinado ponto, quase como um lago. Urzais e carqueijais pintam as montanhas na primavera, formando quadros incríveis, cheios de vida, que nos transmitem boas sensações... Também se avistam rebanhos de cabras a pastar ao longe. Avista-se liberdade!

Barragem Fundeira

Miradouro Lamas de Olo

Barragem Cimeira do Alvão

Nesta mesma área encontramos um miradouro para a bela aldeia de Lamas de Olo. Em tempos, esta aldeia de Vila Real já pertenceu a Mondim de Basto. Ao aproximarmo-nos vemos casas rústicas em granito, muitas conservam ainda os telhados de colmo. A forte imagem rural é complementada pelos espigueiros espalhados pela aldeia. Vale a pena perder-se pelas estreitas ruas e observar as rotinas dos que ainda aqui habitam.

Para quem gosta de caminhada há aqui um percurso circular (13km): Barragens - Barreiro - Lamas de Olo.

Varzigueto

Após mais 15 minutos pela estrada, chegamos à aldeia de Varzigueto, esta no Município de Mondim de Basto. A pequena aldeia xistosa vai ser o ponto de partida para fazermos uma abordagem ligeiramente diferente à cascata das Fisgas de Ermelo.

vista do Miradouro Alto da Cabeça Grande

Fisgas de Ermelo

Com 200m de extensão, a cascata das Fisgas de Ermelo é uma das maiores quedas de água de Portugal e uma das maiores da Europa! Situada no ex-líbris do Alvão , pode ser avistada de vários lugares, sendo (para nós) este o melhor. É um dos pontos de paragem/miradouro do PR3-MDB que circunda toda esta zona, dando a conhecer várias aldeias e paisagens soberbas!⠀

Para chegarmos a este ponto não fizemos todo o percurso. Caminhamos cerca de 2km a partir da bonita Aldeia de Varzigueto, entrando no PR3, passamos por um rebanho de cabras, habitual vislumbre nesta região e seguimos até ao Miradouro Alto da Cabeça Grande, onde tivemos esta recompensa !

Não esquecer também de visitar a aldeia de Ermelo.

Piocas de Cima

As mais famosas e visitadas das lagoas do rio Olo também as que possuem mais espaço disponível.

Durante a caminhada passamos pelo miradouro da Cancela. enquanto descíamos em direção às lagoas.

Piocas de Baixo

As Lagoas Inferiores do rio Olo são um pequeno tesouro .

O seu caminho de acesso dá-se pela estrada que segue do Fojo em direção a N304. A placa que indica o caminho de acesso às Piocas encontra-se a esquerda.

Miradouro do Fojo

Este miradouro tem uma vista privilegiada sobre a cascata das fisgas de Ermelo

Capela da Senhora do Fojo

junto à estrada que nos leva de Mondim de Basto até às Fisgas de Ermelo. Num local inóspito, em pleno Parque Natural do Alvão, aquela capelinha branca que tanto contrasta com o verde da paisagem, não passa despercebida

Cascatas de Bilhó

A nossa paragem seguinte foi nas Cascatas de Bilhó, ou quedas de água do Rio Cabrão. Situam-se no concelho de Mondim de Basto, ainda no Parque Natural do Alvão!

São, certamente, o conjunto de cascatas e lagoas mais acessíveis da região. É de pasmar que através da estrada EN 312, que liga Cavernelhe a Bilhó, seja possível "dar de caras com elas" numa das suas curvas. Não há que enganar! Elas são tudo menos secretas, mas a sua visão é magnífica!

As quedas de água, por cerca de 300m, podem ser escaladas e no seu topo podem encontrar moinhos de água, já degradados. As lagoas convidam a banhos, mas só lá estar a sentir a vibração da água é refrescante.

Mondim De Basto

Chegando ao centro de Mondim de Basto encontramos uma autêntica vila transmontana de pequenas dimensões, mas com uma grande dinâmica activa, principalmente no verão.

O município conta tambem com um parque de Estacionamento para auto-caravanas.

Zona histórica

Parque Urbano

Capela da Nossa Senhora da Piedade

Rio Cabril

Baloiço dos Caretas

Deixamos o carro ao lado de um campo de futebol da aldeia e subimos por um caminho de terra até alcançar o Baloiço do Caretas. São cerca de 300 m, num percurso com algum desnível, mas há outros pontos de acesso.

Portugal é rico em tradições e o carnaval da Aldeia de Vilarinho é uma delas! Tão antiga quanto forte, é ela que dá o nome a este icónico baloiço, com vista sobre a silhueta ondulante do MonteFarinha . ⠀

O Entrudo dos Caretas

Uma vez por ano, "seres estranhos" invadem a aldeia, a "saltitar como se o chão queimasse" - são os Caretas de Vilarinho! ⠀

Dizem que "antigamente é que era!" Um grupo de rapazes "jogava ao carnaval" como se não houvesse amanhã. Com uns farrapos velhos, mantas, palha e máscaras na cara, percorriam toda a aldeia ao ritmo dos bombos, aterrorizando mulheres e crianças.⠀⠀

"Eles queriam mais as raparigas" e perseguiam-nas. Todos tinham medo de se aproximar deles, porque eram realmente terríficos. Levavam cerca de um mês para fazer as máscaras que lhes tapavam a cara e os tornavam irreconhecíveis. Atiravam com farinha, ovos, carregavam enxofradeiras com cinza... tudo servia para importunar quem os observava... ⠀

Às 00h00h da terça-feira de carnaval, recolhiam. Dizia-se que quem não tirasse a máscara, ficaria com ela para sempre! ⠀⠀

Apesar de ser "só para homens", algumas mulheres de antigamente chegaram a fazer parte do desfile, mas só muito bem disfarçadas (e com ajuda de cúmplices). Hoje em dia já não há essa desigualdade de géneros e até serão mais as mulheres que dão continuidade à tradição.

Monte Farinha (Sra Da Graça)

O próximo ponto é provavelmente o mais famoso de todos . Até os mais distraídos já ouviram falar da prova rainha da volta a Portugal.

A nossa viagem é ondulante, à volta do Monte Farinha! No topo e ficamos deslumbrados com a vista incrível sobre o extenso vale, vê - se ainda o rio Tâmega ao fundo, as várias serras e aldeias. Conseguem imaginar o quão difícil será subir de bicicleta?

Os ciclistas não são os únicos a tentar vencer este desnível com mais de 900m de altitude. Também os romeiros de São Tiago Fazem o trilho desde a vila até ao topo para cumprir as suas promessas.

Quando chegamos ao cume somos recebidos pelo Santuário da Senhora da Graça e pelo mar de montanha à sua volta, se as nuvens não estiverem a tomar conta da paisagem. Há até quem diga que em dias de boa visibilidade se consegue ver o mar ao fundo.

Este local desperta em nós uma sensação de tranquilidade e paz e é perfeito para assistir ao pôr-do-sol. Aqui sentimos vontade de descer o Monte até ao fundo, a voar . Algo que podemos realmente fazer, visto que aqui se pratica parapente.