Dois dias em Copenhaga

Há muito tempo que um dos cartões-postais de Copenhaga nos despertava interesse pela capital da Dinamarca… e quis o destino (aka - cancelamento de outra viagem) que este fosse o primeiro voo de 2022!

A nossa viagem foi ao final do dia e depois de uma noite bem relaxada para repor as energias começamos bem cedo a explorar a cidade que nos recebeu com um sol radiante. Partimos a pé em direcção a Rådhuspladsen.

Jardins de Tivoli

Activo desde 1843, o Tivoli Gardens é um dos parques temáticos mais antigos do mundo! Possui uma das montanhas-russas em madeira mas antigas (chamada de Rutschebanen) e também o segundo carrossel mais alto do mundo, o Star Flyer com 80 m de altura.

Diz-se que Walt Disney supostamente ter-se-ia inspirado no Tivoli Gardens para construir o seu parque Disney.

Tanto vale a pena a visita de dia como de noite, quando está totalmente iluminado.

Na altura que visitamos Copenhaga estava encerrado. Durante 2022 podes visitar o parque nos seguintes Horários:


City Hall Square

No coração de Copenhaga, mesmo ao lado do Tivoli Gardens, temos a City Hall Square ou Rådhuspladsen (como é chamada localmente) onde se situa a Câmara Municipal .

Esta praça tem mais de 120 anos e consegue acomodar mais de 50 mil pessoas. É comum fazerem aqui diversas celebrações e espectáculos. A famosa Strøget desagua aqui.

Na praça há uma estátua de Hans Christian Andersen em homenagem ao poeta e escritor dinamarquês de histórias infantis! Escreveu mais de 156 contos e a sua obra de maior sucesso foi a "Pequena Sereia".

Strøget

A rua para pedestres mais longa e antiga do mundo com 1100 metros de extensão.

A rua passa pela Amagertorv square! Uma praça lindissima.

Lojas Lego

A história da empresa e dos brinquedos LEGO tem origem na oficina de Ole Kirk Christiansen, um mestre carpinteiro Dinamarquês! Ele foi o inventor do sistema Lego! Encontramos algumas lojas da marca mundialmente famosa pela cidade

Palácio de Amalienborg

Em Amagertorv Square "esbarramos" com uma das principais atracções da cidade: a troca da Guarda!

O desfile ocorre todos os dias iniciando-se as 11h30 no Palácio de Rosenbourg e terminando às 12h no Palácio de Amalienborg.

Nós seguimos atrás com a multidão enquanto a guarda atravessava algumas zonas como Kongens e Nyhavn ao som da banda de musica e fazia literalmente parar o trânsito.

A marcha terminou em Amalienborg, residência da família real dinamarquesa. São quatro palácios (cópias exactas uns dos outros) dispostos simetricamente à volta de uma pequena praça. Aqui dá-se a cerimonia do render da guarda que dura cerca de 15 minutos.

Ouvimos que quando a marcha é acompanhada por uma banda de música a rainha está em casa.

Nyhavn

Cheio de antigos navios e rodeado de edifícios coloridos, foi assim que encontramos. Nyhavn, que em português significa “Novo Porto” ! É fácil de perceber porque se tornou um dos lugares mais famosos desta cidade: é verdadeiramente encantador! No seu auge, era uma zona comercial muito movimentada, com imensos bares e pubs, um ponto de encontro para os marinheiros quando regressavam! Actualmente, continua a ser um ponto de encontro, onde podemos desfrutar da esplanada de diversos restaurantes e é também daqui que partem barcos com passeios pelos canais!

Quando os mercadores abandonaram esta zona, depois do bombardeamento da cidade por parte da marinha inglesa.

Seguiu-se um período em que Nyhavn ganhou a fama de ser um antro de prostitutas. Foi durante esta altura que aqui viveu o famoso escritor Hans Christian Andersen e onde escreveu os seus primeiros contos infantis, como a “pequena sereia” - o indiscutível ícone de Copenhaga!

Tour pelos Canais

Há duas empresas a fazer as " Canal Tours" com saída de Nyhavn. Pelo que entendemos fazem o mesmo percurso e uma é bastante mais barata que a outra, mas não estava a operar no horário que fomos. A nossa tour ficou a 99 krd ou seja cerca de 14 eur.

A igreja de Mármore permaneceu incompleta por quase 150 anos, até ser finalmente aberta ao público em 1894.

A opera foi considerada a casa de Opera mais cara já construída

Atravessámos a Inderhavnsbroen com a intenção de subir a torre em espiral da Vor Frelsers Kirke para termos uma vista maravilhosa da cidade. Infelizmente a torre estava interdita em Janeiro e só reabria em 22 de Fevereiro por causa do Inverno. Podemos no entanto visitar o seu interior.

Horário : 11:00–15:30

Ao fim de alguns minutos, deixamos Nyhavn e seguimos de barco junto ao bairro de Holmen, que ocupa os antigos terrenos da Base Naval Real, onde ainda podemos observar alguns navios e um submarino.

Depois de uma curta paragem junto à icónica Pequena Sereia, demos a volta para observar o Palácio de Amalienborg e ainda a Igreja de Mármore. Observamos a Opera de Copenhaga e retomamos o percurso por entre os canais do bairro de Christianshavn, onde vimos a torre da Igreja do Nosso Salvador.

Copenhill é alegadamente a central de energia a partir de resíduos mais limpa do mundo.

Na sua cobertura é possível fazer caminhadas, escalada e até snowboard. Também é muito procurada pelas vistas sobre a cidade

Blox

A frase mais repetida pelo guia ao longo do percurso foi para não nos levantarmos de cada vez que se aproximava uma ponte! A dada altura, no canal Frederiksholm, a passagem na ponte é tão estreita que o barco realmente bateu nas laterais!

Por fim, avistamos pontos bem conhecidos como a Biblioteca Real , o Blox, a antiga bolsa de valores e o palácio de Christiansborg, entre outros, regressando por a Nyhavn, onde os últimos raios de sol já caiam sobre os edifícios…

Gostamos e aconselhamos a fazer o tour no primeiro dia na cidade para terem uma visão geral dela e conhecerem algum pontos.

Freetown Christiania

Entramos numa micro-nação cheia de arte um pouco por todo lado.

Apelidado de "bairro hippie de Copenhaga, Christiania é habitado por pessoas de pensamento livre que vivem segundo as suas regras. De acordo com as nossas pesquisas, os moradores não pagam impostos, por isso os produtos lá são mais baratos.

Ganhou fama pela legalização do consumo e venda de drogas! contudo isso gerou grande controvérsia nos últimos anos, levando a um aumento do policiamento da zona. O governo acabou por proibir a sua venda, mas continua a ser muito fácil encontrá-la por aqui!

Na "Pusher Street" é proibido fotografar. Há vários avisos antes de lá entrarmos.

Este é um local realmente alternativo e diferente da cidade e sentimos-nos totalmente seguros em visitar o lugar. Não há problemas de violência. É necessário respeitar os seus habitantes.

Christiansborg

O Palácio de Christianborg é sede do Parlamento dinamarquês e um dos edifícios históricos mais importante da cidade .

A sua torre encontra-se aberta ao publico e a sua visita é gratuita. Durante a subida podemos admirar artefactos como estátuas que pertenceram aos anteriores palácios medievais que entretanto arderam. No seu topo funciona um restaurante e um observatório 360 graus sobre a cidade com placas informativas.

valeu muito a pena a subida e ainda podemos contemplar a torre Torso ao fundo a sobressair da cidade vizinha de Malmo como uma miragem. O vento forte esse não nos deixou em paz um segundo.

Børsen
Interior do Palacio de Christianborg
Vista de torre

Mesmo ao lado do Palácio temos o Børsen, uma bolsa de valores do século XVII que é mais conhecida pela sua torre distinta, em forma de caudas de quatro dragões entrelaçadas, atingindo uma altura de 56 metros.

Castelo de Rosenborg

O Rosenborg Slot foi construído em 1606 e foi usado como palácio real durante cerca de 100 anos.

Os jardins valem mesmo a pena serem visitados, especialmente no verão, quando as flores desabrocham. Na verdade, é o jardim real mais antigo do país inteiro.

A caminho da cidadela fortificada demos ainda um salto a um complexo de casas centenárias chamado Nyboder. Este além da arquitectura, chama a atenção pela predominância do amarelo torrado nas suas fachadas.

Cidadela de Copenhaga

Esta fortaleza impressionante é uma das fortificações melhor preservadas da Europa. Foi construída em 1663 como fortaleza e desde o século XIX foi usada como prisão

Actualmente é uma área de lazer com imensas pessoas a fazerem exercício ou em caminhadas.

Kastelsmøllen

Este moinho de vento do tipo holandês foi construído nos terrenos da cidadela como uma precaução, de maneira a que houvesse um local para moer o grão para farinha no caso de ataque. Há outros moinhos em Copenhaga mas este é o único que ainda funciona.

A Pequena Sereia

O ícone de Copenhaga tem 1,25m de altura sendo um pouco maior do que tínhamos idealizado, mesmo assim pequena.

A estátua foi encomendada por Carl Jacobsen ( filho do fundador da Carlsberg) que ficou fascinado depois de assistir a um ballet sobre um conto de fadas de Hans Christian Andersen.

Fonte de Gefjun

Esta estátua possui uma história bem curiosa. A deusa pagã Gefjun, transformou os seus filhos em bois e usou-os para lavrar tanta terra quanto pudesse em 24 horas. A terra que conseguisse arar ser-lhe-ia entregue pelo rei Gylfi da Suécia. Segundo a Lenda essa terra transformou-se na ilha da Zelândia onde fica também Copenhaga.

Tivemos ainda tempo para espreitar o Jardim botânico de Copenhaga coberto por uma fina camada de neve.

Este espaço é a maior colecção de plantas vivas da Dinamarca. É um espaço publico gratuito para passear repleto de árvores raras, arbustos e ervas. Aqui existem estufas históricas que datam do século XIX.

Transporte

Aeroporto - Cidade

Comboio (029 Østerport St.)

Metro (Lufthavnen M2 direção Vanløse st ) bilhete 32 Dkk entre 4 a 5 Eur

O "City Pass Small" (24-120 horas) cobre Copenhaga nas zonas 1 a 4 e permite viagem até o aeroporto. Dá para usar de 1 a 5 dias e tem o custo de 80-300 Dkk respectivamente.

Alimentação

Almoçar em Copenhaga pode ficar caro e na ânsia de percorrer a cidade nem sempre conseguimos programar onde vamos comer.

É fácil encontrar pela rua varias barraquinhas de hamburguer (35Dkk) e cachorros(30 Dkk). Há lugares que vendem ligeiramente mais barato, depende da zona da cidade.

Já os preços de supermercado não são tão diferentes dos portugueses. Fizemos algumas refeições com produtos lá comprados.

Onde dormir?

Já há algum tempo que tínhamos curiosidade acerca deste tipo de conceitos de alojamento e durante a nossa estadia em Copenhaga, dormimos num espaço totalmente distinto, onde ficamos literalmente “na nossa bolha”!

Este lugar único e aconchegante parece pequeno, mas tem tudo que precisas! Além da cama gigante, tens uma zona onde consegues arrumar a tua bagagem, estar totalmente de pé e vestir-te tranquilamente! As casas de banho são partilhadas, mas tens o teu próprio espaço e até uma sauna!

Através da aplicação do cityhub podes conversar com um cityhost, alterar as luzes do teu quarto e até colocar música nas colunas através do bluetooth! Não te preocupes, os Hubs são bem isolados, lá dentro vais passar uma noite tranquila - não se ouve nada!

O CityHub está situado a 1,3 km dos Jardins Tivoli e possui recepção aberta 24 horas por dia com check-in automático, Durante esse processo é dada uma pulseira que irá funcionar como chave do quarto e para registo de produtos consumidos.

A área pública partilhada tem uma kitchenette e uma área de estar. No bar os hóspedes podem preparar e servir as suas próprias bebidas.

Existe depósito de bagagens e acesso Wi-Fi gratuito em todas as áreas.

Em geral a nossa experiência em Copenhaga foi muito positiva .

  • Apesar da altura do ano (Fevereiro) o clima foi surpreendentemente menos severo connosco do que esperávamos. Mesmo assim o vento estava forte no primeiro dia e tivemos dificuldade de aterragem.

  • A alimentação e custos em geral são elevados para o padrão dos Portugueses.

  • Tivemos alguma dificuldade mental em fazer a conversão entre Coroas e Euros

Pontos fortes

  • Cidade acolhedora

  • transportes públicos eficientes

  • sentimento de segurança

  • Passeio de barco pelos canais

Não te esqueças de ver os destaques sobre Copenhaga no instagram e segue-nos se gostares do nosso conteúdo.